ISPN - Instituto Sociedade, População e Natureza

25.09.08

Consumo como ato de solidariedade

Texto de Helio Mattar*
Diretor Presidente do Instituto Akatu pelo Consumo Consciente

Sinto um completo desalento toda vez que me dou conta da enorme confusão que vive o mundo nos dias de hoje. Parecemos esquecer que, a cada segundo, vivemos um novo e único momento do universo, um momento que nunca antes existiu e que nunca existirá novamente. Parecemos esquecer que vivemos um milagre cotidiano. Tratamos o mundo como se fosse absolutamente evidente, sem mistério.

Glenn Gould, o extraordinário pianista canadense, em uma entrevista na década de 70, apontava para a nossa indiferença cotidiana a esse milagre. Chamava a atenção para o que ensinamos a nossos filhos nas escolas. Ensinamos que dois e dois são quatro e que nossa capital é Brasília. Mas deveríamos também lhes ensinar o que eles de fato são, apontava Gould. Vocês sabem o que vocês são, meu filhos? Vocês são um milagre, uma maravilha! Em todo o mundo não há outro ser exatamente como cada um de vocês! Nos milhões de anos que se passaram e nos milhões de anos que ainda passarão nunca houve e nunca haverá ninguém como cada um de vocês!

A meu ver, se tivéssemos consciência do milagre que somos, talvez deixássemos de subordinar tão fortemente a nossa felicidade aos bens materiais, fugazes e perecíveis, que nos alienam da beleza das pessoas e do mundo, de tudo o que é perene e essencial, nos colocando em uma competição sem fim por um consumo cada vez mais intenso, como se, com isso, pudéssemos criar para nós mesmos uma identidade que nos tornasse diferentes dos nossos semelhantes…

Esta competição coloca em risco a todos os humanos, sem exceção. Na situação atual, em que 1,7 bilhões dos 6,6 bilhões dos habitantes do mundo consomem muito mais do que o necessário, enquanto os demais ou consomem o mínimo necessário ou abaixo desse mínimo, o uso de recursos naturais – ar respirável, água limpa, terras agricultáveis e absorção dos resíduos produzidos pela humanidade – já se encontra em um nível 25% acima do que a Terra é capaz de renovar. E se todos os habitantes do mundo viessem a consumir como os habitantes mais ricos do planeta, precisaríamos de quatro Terras para suprir todo esse consumo, um modelo de produção e consumo, portanto, inviável de ser expandido para toda a humanidade.

De outro lado, tudo o que ocorre no mundo está se tornando cada vez mais interdependente. O aquecimento global é emblemático dessa interdependência, ao levar os seus efeitos perversos a todos os cantos do planeta. Serve para demonstrar, cotidianamente, a correção da frase de Mariana Botta em artigo para a Folha de 26 de dezembro passado, pois “mostra que cada movimento nosso, por menor que seja, estabelece uma relação de causa e conseqüência com a vida de todas as pessoas” mesmo as que não conhecemos ou as que estão muito distante de nós. E serve para nos lembrar que, se a vida no planeta vier a perecer, nenhum de nós terá qualquer privilégio na escolha divina ou na terrena, e pereceremos também.

Nesse sentido, deveria fazer parte da educação mais elementar mostrar que é preciso inverter a lógica perversa da competição pelo consumo e começar a consumir com a consciência voltada para os outros e não apenas para nós mesmos, desta forma tornando o consumo um ato cotidiano de solidariedade.

Pode parecer estranho relacionar consumo e solidariedade. Mas não é solidário o ato de quem economiza os recursos naturais para que não faltem à geração atual e às futuras? Não é solidário o ato de quem busca limitar a emissão de gases de efeito estufa causada pelo seu consumo, para que o planeta não se aqueça ainda mais e as mudanças climáticas, que afetam a todos, não se aprofundem? Não é solidário o ato de quem busca escolher produtos não apenas pela boa qualidade ao menor preço, enfatizando apenas a sua conveniência individual, mas leva em conta as boas ações das empresas produtoras sobre a sociedade e a natureza, e que afetam a todos nós?

O mundo depende da solidariedade para que o viver não se constitua, para ninguém, em um ato de atrevimento. E para que todos possam ter a dignidade de ter algo a perder, não pensando jamais que este algo possa ser a própria vida. Ao repensar o que realmente precisamos, ao reutilizar os produtos até o final de sua vida útil, ao reciclar o que não pode mais ser utilizado, e, especialmente, ao escolher produtos e serviços de empresas mais social e ambientalmente responsáveis, estaremos, voluntária e cotidianamente, levando nossa solidariedade às pessoas e ao planeta por meio de nossos atos de consumo.

Ao consumir com consciência, nos tornamos agentes positivos de transformação, em que cada um estará dando um pouco de si para melhorar o mundo à sua volta, fazendo com que o milagre que somos não seja unicamente uma prova do mistério divino, mas fazendo realizar o divino que temos em nós.

Teremos então consumido solidariamente, com nossa consciência voltada para os outros e não somente para nós mesmos, contribuindo para dar significado a nossas vidas e para reconhecer o privilégio que nos é dado pelo milagre de existir, celebrando a vida e tudo de bom que ela pode trazer a todos nós, apenas passageiros que somos desta extraordinária nave terrena.

*Helio Mattar, 60, é Ph.D. pela Stanford University, foi idealizador, co-fundador e é Diretor Presidente do Instituto Akatu pelo Consumo Consciente.

Escrito em Dezembro de 2007

TFCA - Tropical Forest Conservation ActFundo AmazôniaPNUD - Programa das Naes Unidas para o DesenvolvimentoGEF
ISPN - Instituto Sociedade, População e Natureza »Fazer login » Intranet
SHCGN CLR Quadra 709 Bloco "E" Loja 38, CEP 70.750-515 Brasília - DF . Fone/Fax: (61) 3327-8085
DoDesign-s Design & Marketing